Jóbson Phelps

O Jóbson Phelps foi formado em 2011 pelos músicos Giancarlo Frabetti e Paulo Abraão, fruto da materialização de uma ideia quase tão antiga quanto a amizade entre os dois. A identidade musical do projeto foi construída de forma natural, baseada em uma fina telepatia química, no transe e na improvisação.

O duo define esse estilo como “Noise Ateu”, proposta que dialoga com as mais  diferentes vertentes musicais, tais como o Krautrock, o Post-punk, o Industrial, o Heavy Metal, o Noise, o Lo-Fi, o Space Rock, o EBM,  entre outras.

Utilizam diferentes sintetizadores, pedais de efeito, bateria eletrônica, loops, gravadores, rádios, samplers, feedbacks de guitarra e baixo elétrico sintetizado para a construção de texturas sonoras imagéticas, guiada por ritmos tribais e riffs soturnos em longas jams em que a dupla dialoga de forma automática, registradas em tempo real. Em seus registros não utilizam overdubs ou técnicas de edição que deturpe a crueza de sua proposta.

Deixe um comentário

Na Rota do Bong (Obsession Motel)

 

 

És um avião sem hélices
Um astro e seus satélites

Deixe um comentário

Pepinos em condimento suave

Temos um carinho todo especial com esta track.

Deixe um comentário

Jóbson Phelps: 250 mil anos-luz até Andrômeda

Tenho os olhos muito atentos
E os ouvidos bem abertos

Deixe um comentário

Jóbson Phelps – O cone primitivo versus os danos contra o conforto patrimonial.

Ai, meus amigos modernos
Ai, meu sorriso de adeus

,

Deixe um comentário

Contrabalançado

 

 

SONETO CONTRABALANÇADO [Glauco Mattoso]

Tim Maia já cantou que, enquanto um pena,

um outro ri. Mais longe foi o grupo

Capote do Odair, que, sob apupo

dos “éticos”, não pinta a coisa amena.

Segundo a banda, a História só condena

os fracos ao dever do qual me ocupo:

além de cego, apalpo, cheiro e chupo

o membro de quem vê e desfruta a cena.

De quem está por cima esta é a vantagem:

a quem está por baixo atenazar.

Embora uns neguem, todos assim agem.

Se cego eu já não fosse e alguém vazar

meu olho achasse fácil, a linguagem

seria: “Chupa aê! Tá cego? Azar!”

 

 

Deixe um comentário

Inspetor Clouseau FX apresenta: Talidomida Amityville

Tudo tem seu preço exato, ninguém vai pagar barato
Tudo tem seu peso certo, tudo tem seu fim

Deixe um comentário

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.